Decreto melhora o Custo Brasil para os cruzeiros

Os amantes dos cruzeiros marítimos têm motivo para comemorar. O
Decreto Presidencial número 9.500, publicado hoje no Diário Oficial
aumentou de 90 para 180 dias a validade do visto dos profissionais que
trabalham nos navios em viagem de longo curso. O texto afasta o risco
do Brasil ter uma temporada reduzida de 120 para 90 dias em 2018/2019.
Pelas estimativas da entidade que representa os navios de cruzeiros,
CLIA Brasil, com base na última temporada, caso a duração da estada
dos navios na costa brasileira fosse encurtada, a economia nacional
perderia 7 mil empregos e R$ 450 milhões.

Para os cruzeiros marítimos, o aumento na validade do visto para
marítimos representa uma redução no custo operacional com taxas em R$
5 milhões.  “Essa era uma demanda histórica, que ajuda a simplificar a
nossa operação e, consequente, facilita a busca por novos navios para
a próxima temporada. É mais um entrave que, com a ajuda fundamental do
Ministério do Turismo, com a ajuda da Casa Civil e a atuação
determinante da Presidência da República a gente consegue superar”,
comentou Marco Ferraz, presidente da CLIA Brasil.

A temporada 2018/2019 de cruzeiros começa em novembro e terá sete
navios de cabotagem, com viagem com início e fim nos portos nacionais,
e 29 embarcações de longo curso, com escalas no país. Em média os
navios permanecem 120 dias em operação no Brasil. Uma eventual redução
para 90 dias representaria uma perda de 25% na movimentação econômica
e geração de emprego. De acordo com estudo da FGV, o impacto médio de
gasto por passageiro nos locais de desembarque é de R$ 515.

“Não podemos nos dar ao luxo de perder esses empregos e a injeção
desses recursos na nossa economia. Temos a obrigação moral de abrir
postos de trabalho e criar alternativas para a população. O turismo
tem diversas soluções nesse sentido”, comentou o ministro do Turismo,
Vinicius Lummertz.

Compartilhe